Sobre a Raça
 
 
 
Pastor Branco que, com isso, passa a ser reconhecido pela FCI como uma raça independente do Pastor Alemão (como era desejado por uma vertente da raça em nome do reconhecimento pela FCI). Para chegar a esta condição, que envolve muito mais do que um novo nome, muitos anos se passaram e muitos debates foram travados, especialmente devido ao padrão que seria adotado e, claro, quanto ao nome da raça. Os alemães jamais concordaram com a denominação de Pastor Alemão Branco, uma vez que, com isso, ficaria clara a relação das duas raças e, durante anos, os criadores do, agora, Pastor Suiço, também não aceitavam a desvinculação com o padrão do pastor alemão tradicional.

É inegável, no entanto, que o Pastor Suiço foi obtido graças ao acasalamento de cães pastores alemães e que, durante os primeiros anos da raça participou de seu desenvolvimento. Graças às inúmeras pesquisas realizadas pelos criadores, sabe-se hoje que nos 15 primeiros anos da raça pastor alemão, 30 cães consolidaram-se como pilares da raça e que 18 destes produziram descendentes brancos e os 12 restantes foram descendentes de cães que transmitem geneticamente a cor branca a seus descentes.
Na época do pós-guerra, no entanto, teve início uma forte campanha entre os criadores alemães com o objetivo de erradicar a variedade branca da raça pastor alemão. Na época a alegação era de que os pastores brancos eram albinos. Hoje sabe-se que os pastores brancos não são albinos, uma vez que possuem forte pigmentação nas mucosas e nos olhos estando totalmente adaptados ao trabalho ao sol, o que não aconteceria se o caso realmente fosse de albinismo, uma vez que o albinismo é uma doença que se evidencia pela intolerância ao sol, olhos cor de sangue, focinhos e lábios despigmentados, cor de carne, pele translúcida.
No entanto, apesar da falta de embasamento científico, o clube alemão responsável pelo pastor alemão passou a negar pedigree aos pastores alemães brancos e, em 1968, seguindo a orientação deste clube, o American Kennel Club (AKC) aprovou também a desqualificação da variedade branca de qualquer exposição de pastores alemães, mesmo que o pedigree dos filhotes brancos nascidos de cães de raça pura continue sendo emitido pelo AKC. O pastor branco ainda compete em provas de adestramento nos Estados Unidos. Ao contrário do AKC, o Canadian Kennel Club resistiu às pressões e não desqualificou o pastor alemão branco. Talvez por este motivo, durante um bom tempo, alguns criadores chamavam o pastor branco de pastor canadense.
Basicamente o Pastor Branco nasce do acasalamento entre cães pastores brancos e/ou de cães pastores alemães que portem o gene da cor branca. Isso significa que, numa ninhada de legítimos pastores alemães capa-preta podem surgir cães totalmente brancos. Os criadores americanos, canadenses e suíços, sobretudo, resolveram dar seqüência à variedade, acasalando brancos com brancos, fixando assim, geneticamente, a cor branca nos seus cães.
O resultado disso foi a formação de uma raça que, alia a inteligência e a docilidade do pastor alemão com uma pelagem branca exótica e que, com isso, tornou-se um dos cães mais populares na América do Norte.




O Pastor Suiço é um cão muito inteligente, equilibrado, de fácil convívio social e de convivência tranquila com as crianças. Se estendermos ao pastor branco a mesma classificação que o pastor alemão ´tradicional´ obteve no classificação de Stanley Coren em seu livro A Inteligência dos Cães, onde a raça aparece em terceiro lugar, fica claro o porque desta enorme popularidade.

 

Assim como o pastor alemão ´tradicional´, o Pastor Branco tem uma enorme vocação ao trabalho e por isso é um cão que precisa de exercícios constantes.

Seu porte físico e agilidade fazem com que seja de acompanhar seu dono em praticamente todos os momentos, como cooper ou passeios de bicicleta. Ágil, pode-se sair muito bem nas provas de agility, onde não apenas utilizará apenas sua composição física, mas também sua inteligência invejável.




Se o pastor adulto é um cão com grande energia e disposição, filhote também é bastante ativo e curioso, demonstrando desde cedo forte instinto para as atividades de guarda e pastoreio.

 

O ideal é aproveitar a infância para garantir que o filhote cresça de maneira equilibrada. Para isso, é ideal que o proprietário promova a socialização do cão, apresentando-o aos mais variados estímulos e pessoas.

É importante também que o filhote seja acostumado com as escovações do pelo, que farão parte do seu dia-a-dia.

 

Por ser um cão de porte médio a grande, é muito importante que receba aulas de adestramento básico desde cedo.





A raça é cor branca que é o extremo de uma série de cores, que inclui champanhe, amarelo, amendoado, laranja e mesmo marrom. Estas cores, principalmente champanhe e amarelo, são bastante comuns e caracterizam um desvio em relação ao padrão da raça, que diz, basicamente, que quanto mais branco melhor.

 

Por causa de seu pelo denso, está sujeito a dermatites, que podem ser facilmente sanadas com o uso de shampoos apropriados.

A manutenção do pelo deve ser feita preferencialmente pela escovação e remoção dos pelos mortos. Na época da muda, esta escovação deve ser praticamente diária.

 

O comprimento do pelo é outra grande polêmica entre os defensores do Pastor Alemão Branco e do Pastor Suíço: no segundo caso, admite-se pelagem longa o que é considerado falta pelos criadores de Pastor Alemão Branco, uma vez que estes defendem que o padrão da raça tenha como base o do Pastor Alemão tradicional, onde tal pelagem é considerada falta desqualificante.

para ser notificado da próxima ninhada.

Nome: Um valor é necessário.
Email: Um valor é necessário.Formato inválido.
© pastorsuico.com.br todos os direitos reservados